Desde o seu início a sociologia tem se dedicado à análise do trabalho na sociedade moderna. Em suas mais diversas perspectivas e concepções de mundo, os autores clássicos do pensamento sociológico, cada um ao seu modo, apontaram a importância do trabalho e das relações que se construíram a partir dele para o entendimento da sociedade. No caso específico do Brasil não foi diferente, tendo a problemática do trabalho acompanhado as preocupações sociológicas ao longo de seu percurso de formação e consolidação enquanto disciplina.
O curso visa discutir o desenvolvimento da sociologia do trabalho no Brasil, percorrendo a trajetória deste campo de estudos desde os seus primórdios até as investigações contemporâneas. Neste sentido, estarão em tela os temas e abordagens orientadoras das pesquisas e reflexões nesta área, bem como os contextos nas quais foram produzidas.

Bibliografia

Abreu, Alice e Sorj, Bila (1993). “Trabalho a domicilio e relações de gênero: as costureiras externas no Rio de Janeiro”. In O trabalho invisível: estudos sobre trabalhadores a domicilio no Brasil , Abreu, A. & Sorj, B. (orgs). RJ, Rio Fundo Editora.

Antunes, Ricardo (1991). O novo sindicalismo . SP, Editora Brasil Urgente.

Boito Jr, Armando (1991). “Reforma e persistência da estrutura sindical”. In O sindicalismo no Brasil nos anos 80 , Boito Jr., A. (org.). RJ/SP, Paz e Terra.

Cardoso, Adalberto (2003). A década neoliberal . SP, Boitempo.

Guimaraes, Nadya (2003). “Por uma sociologia do desemprego: contextos societais, construções normativas e experiencias subjetivas”. In Além da fábrica – trabalhadores, sindicatos e a nova questão social , Santana, M.A.& Ramalho, J.R. (orgs). SP, Boitempo.

Leite Lopes, José Sérgio (1976). O Vapor do Diabo: O Trabalho dos Operários do Açúcar . RJ/SP: Paz e Terra.

Leite Lopes, José Sérgio. (1988). A Tecelagem dos Conflitos de Classe Na Cidade das Chaminés . São Paulo/Brasília: Marco Zero/CNPq.

Leite, Márcia de Paula (1997). Qualificação, desemprego e empregabilidade. São Paulo em Perspectiva, v. 11, n. 1.

Lima, Jacob Carlos (2002). As artimanhas da flexibilização – O trabalho terceirizado em cooperativas de produção . São Paulo, Terceira margem.

Lobo, Elisabeth Souza (1991). A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência . São Paulo, Brasiliense.

Lopes, Juarez R Brandão. (1967). A crise do Brasil arcaico . SP, Difusão Européia do Livro.

Lopes, Juarez R. Brandão. (1971). Sociedade industrial no Brasil . SP, Difusão Européia do Livro.

Maroni, Amnéris (1982). A estratégia da recusa . São Paulo, Brasiliense.

Moraes Filho, Evaristo. (1978). O problema do sindicato único do Brasil . SP, Alfa Omega.

Neves, Magda de A. (1994). Trabalho e cidadania: as trabalhadoras de Contagem . Petrópolis, Vozes.

Pereira, Vera C. (1979). O coração da fábrica – Estudo de caso entre operários têxteis . Rio de Janeiro, Editora Campus.

Pessanha, Elina e Morel, Regina (1991), “Gerações operárias: rupturas e continuidades na experiência de metalúrgicos do Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais , Rio de Janeiro, Anpocs/Relume Dumará, 17.

Rodrigues, José Albertino. (1968). Sindicato e desenvolvimento no Brasil . SP, Difusão Européia do Livro.

Rodrigues, Leôncio Martins. (1966). Conflito industrial e sindicalismo no Brasil . SP, Difusão Européia do Livro.

Rodrigues, Leôncio Martins. (1970). Industrialização e atitudes operárias . SP, Brasiliense.

Rodrigues, Iram Jácome (1997). Sindicalismo e política: a trajetória da CUT . SP. Scritta.

Sader, Eder (1988). Quando novos personagens entraram em cena: experiências e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo 1970-1980 . RJ/SP, Paz e Terra.

Silva, Luiz Antonio Machado da (2003). “Mercado de trabalho ontem e hoje: informalidade e empregabilidade como categorias de entendimento”. In Além da fábrica – trabalhadores, sindicatos e a nova questão social , Santana, M.A.& Ramalho, J.R. (orgs). SP, Boitempo..

Simão, Azis. (1981). Sindicato e estado . São Paulo, Editora Ática.

Tavares de Almeida, M. Hermínia (1975) “O sindicato no Brasil: novos problemas, velhas estruturas. Debate e Crítica , N 6. São Paulo, Hucitec.

Santana, Marco Aurélio (1999). “Política e história em disputa: o ‘novo sindicalismo’e a idéia da ruptura com o passado”. In Novo sindicalismo: 20 anos depois , Jácome Rodrigues, I. (org.). Petrópolis, Vozes.

Ramalho, J.R & Santana, M.A. (2003). “Trabalhadores, sindicatos e a nova questão social”. In Além da fábrica – trabalhadores, sindicatos e a nova questão social , Santana, M.A.& Ramalho, J.R. (orgs). SP, Boitempo.

Vianna, Luiz Werneck. (1976). Liberalismo e sindicato no Brasil . RJ, Paz e Terra.

Weffort, Francisco (1978), “Os sindicatos na política (Brasil: 1955-1964)”. Ensaios de Opinião , Rio de Janeiro, Enubia, 1.