Ementa:

O curso visa apresentar as principais teorias analíticas contemporâneas que enfocam os processos de reprodução e de transformação social. Seu objetivo é mapear e discutir as teorias sociológicas e antropológicas atuais que informam o debate contemporâneo sobre estrutura e ação, cultura e política . Na primeira parte do curso, a Teoria da Ação Social de Parsons, a Teoria da Estruturação de Giddens e a Sociologia Reflexiva de Bourdieu serão apresentadas e discutidas. O curso irá analisar como essas teorias informam a análise de temas como estratificação social, classe e poder, e dominação. Na segunda parte do curso – principalmente através da obra de Geertz e Sahlins será retomado o conceito de cultura, tal como foi sendo construído pela teoria antropológica, enfocando particularmente a relação cultura e política. Seu objetivo específico é, principalmente através de estudos etnográficos, analisar os autores operam com o conceito de cultura para analisar diferentes configurações sociais e em situações históricas caracterizadas como de colonização, descolonização e mundialização.

Parsons e a Teoria da Ação Social

Talcott Parsons. The Social System. London. The Free Press of Glencoe, Collier-Macmillan, 1964. “Part I – the action frame of reference and the general theory of action systems: culture, personality and the place of social systems” e “Part II – The major points of reference and structural components of reference and structural components of the Social System”, pp 3-67.

José Maurício Domingues. “Parsons.Social Systema and Collective actor” in Sociologial Theory and Collective Subjectivity. London, Macmillan, 1995, pp78-92.

José Maurício Domingues. A Sociologia de Talcott Parsons.mimeo. pp. 40-106

O funcionalismo e a análise da estratificação social e da família

Talcott Parsons. “A revised analytical approach to the theory of social stratificacion (1953)” in Talcott Parsons.Essays in Sociological Theory. New York & London, The Free Press & Collier-Macmillan, 1964.pp 386-439.

Talcott Parsons. “Expressive symbols and the social system: the communication of affect” in: The Social System. London. The Free Press of Glencoe, Collier-Macmillan, 1964, pp 384-407.

Mirian M. Johnson. “Feminism and theories of teories of Talcott Parsons”in: Ruth Wallace (ed.) Feminism and Sociological Theory. Newbury Park, Sage Publications, 1989, pp 101-118.

Leitura complementar:

Talcott Parsons. “The Professions and the Social structure(1939)” e “The analytical approach to the Theory of Social Stratification (1940)” in: Talcott Parsons. Essays in sociological Theory. New York & London, The Free Press & Collier-Macmillan, 1964.

Anthony Giddens e a Teoria da Estruturação

“Entrevista com Anthony Giddens”. Estudos Históricos. Vol. 8, no. 16, 1995, pp. 291-305.

José Maurício Domingues. “Individuals, Structures and Systems in: Giddens’Structuration Theory” in Sociologial Theory and Collective Subjectivity.London, Macmillan, 1995, pp. 22-38.

Anthony Giddens. “As dimensões Institucionais da Modernidade”in: A. Giddens. As conseqüências da modernidade. Editora UNESP.,1991, pp 61-82

Leituras Complementares:

Anthony Giddens. A Constituição da Sociedade. São Paulo, Martins Fontes, 1989.

Anthony Giddens & Jonathan Turner (orgs.) Social Theory Today. Stanford Univ. Press, 1987.

Duas aplicações da teoria da estrutura: relações de classe e afetividade

Anthony Giddens. “Power, the dialectic of control and class structuration” in Anthony Giddens and Gavin Mackenzie (eds.).Social Class and the Division of Labour. Essays in: honour of Ilya Neustadt. Cambridge University Press, 1982.

Anthony Giddens. “Introdução”; “O Amor Romântico e outras ligações” e “A intimidade como democracia” in A Giddens. A Transformação da Intimidade. Editora UNESP, 1992, pp. 9-11; 47-58; 201-221.

Pierre Bourdieu e a Sociologia Reflexiva

Loïc Wacquant. “Introdução” in Réponses. Pour une Antrhopologie Réflexive. Paris, Éditions du seuil, 1992,pp. 13-42 (ver também tradução americana Pierre Bourdieu & Loïc Wacquant. A Inviation to Reflexive Sociology. University of Chicago Press, 1992.

Pierre Bourdieu. “Parte I – Les fins de la sociologie réflexive (le Séminaire de Chicago)” in: Réponses. Pour une Antrhopologie Réflexive, Paris, Éditions du Seuil, 1992, pp. 43-175 (ver tb tradução americana Pierre Bourdieu & Loïc wacquant. An Inviation to Reflexive Sociology. University of Chicago Press, 1992.)

Dominação em Bourdieu – Dominação Masculina e Dominação Econômica’

Pierre Bourdieu. “La Domination Masculine”. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, no. 84, 1990, pp. 2-31.

Pierre Bourdieu. “Nouvelles réflecions sur la domination masculine”. Cahiers du GEDISST. Seminaire 1993-1994. Division du Travail. Rapports sociaux de sexe et de pouvoir, no. 11, 1994, pp. 91 104.

Pierre Bourdieu et alii. “Les Nouvelles Formes de Domination dans le Travail”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, no 114, Septembre 1996.

Leituras complementares:

Pierre Bourdieu. “La violence Symbolique” in Michel de Manassein. De l’égalité des sexes. Actes et Rapport Pour L’Education, CNDP, 1994.

Pierre Bourdieu. “Stratégies de reproduction et modes de domination”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, no. 105, 1994, pp. 3-12.

Parte II

Sahlins e Geertz: o conceito de cultura

Marshall Sahlins. Cultura e Razão Prática. Rio de Janeiro, Zahar, 1979 (cap 1, 2, e 3)

Clifford Geertz. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Zahar, 1978 (cap 1, 2 e 6)

Mariza Peirano. A favor da Etnografia. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1995 (Cap. 1 e 2)

Sahlins, Geertz e Bourdieu: Etnografia, História e Configurações Sociais

Marshall Sahlins. Ilhas da História, Rio de Janeiro, Zahar, 1988.

Clifford Geertz. Negara. O Estado Teatro no Século XX. Lisboa, Difel, 1980.

Pierre Bourdieu. O desencantamento do mundo; Estruturas Econômicas e Estruturas Temporais. São Paulo, Editora Perspectiva, 1979.

Sahlins e Geertz: Antropologia, Descolonização e Mundialização

Marshall Sahlins. “Cosmologias do Capitalismo: o setor transpacífico do sistema mundial”. Religião e Sociedade. Vol. 16, no. 1-2, novembro de 1992.

Clifford Geertz. “Estar lá, escrever aqui”. Diálogo, 22 (3), pp. 58-63, 1989.

Clifford Geertz. Works and Lives. The Antropologist as Autor. Stanford University Press, 1989. (cap. 1 e 6)

Texto complementar:

Biersack, A “Saber local: Geertz e Além”in Hunt, L. (org.). A nova História Cultural. São Paulo, Martins fontes, 1995.

Cultura e Política: a simbologia do poder

Clifford Geertz. Local Knowledge. Further Interpretative Anthropology. New York, Basic Books, 1983 (Cap. 2 e 6)

Max Weber. “A Política como vocação”in Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro, Zahar.

R. Girardet. Mitos e Mitologias Política. São Paulo, Cia das Letras, 1987. (Intr., Cap 1 e 2)

Textos Complementares:

Pires, T. C. “Antropologia e Poder. Uma resenha de etnografias americanas recentes”, BIB, no. 27

Novaes, Regina. “Cultura, consciência e identidade: visitando conceitos”in Ivo Lesbaupin (org.) Igreja, comunidade e massa. Ed. Paulinas.

Política, Ritual, Mídia: outras perspectivas para o conceito de cultura

D. Kerte. “Política e Ritual: a festa comunista na Itália” Religião e Sociedade, no. 9.

Pierre Bourdieu. “L’Empire du Journalisme”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, no. 101/102, mars 1994.

Patrick Champagne. “La vision mediatique”in Pierre Bourdieu (org.) La misère du monde. Paris, Ed. du Seuil, 1993.

Moacir Palmeira. “Voto: Racionalidade ou Significado?”. RBCS, ano 7, no. 20, 1992.